24°C 27°C
Cabedelo, PB
Publicidade

Patos é o município da Paraíba que registrou mais abalos sísmicos nos últimos quatro anos, aponta LabSis da UFRN

Sobre intensidade dos terremotos, observou que o de maior magnitude foi registrado em Patos, com 2.2, e Belém do Brejo do Cruz, também com 2.2.

09/06/2024 às 22h20 Atualizada em 10/06/2024 às 18h25
Por: Redação RepercutePB
Compartilhe:
Patos é o município da Paraíba que registrou mais abalos sísmicos nos últimos quatro anos, aponta LabSis da UFRN

A Paraíba registrou, entre novembro de 2020 e janeiro deste ano, 47 eventos sísmicos, conhecidos como tremores ou pequenos terremotos. O dado foi obtido pelo ClickPB em consulta a estudos divulgados pelo Laboratório Sismológico da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LabSis UFRN).

Patos, município do Sertão, é o que mais registrou terremotos, com seis. Depois, aparecem Juazeirinho, com cinco; Campina Grande, com quatro; e Picuí, com três abalos registrados.

Sobre intensidade dos terremotos, observou que o de maior magnitude foi registrado em Patos, com 2.2, e Belém do Brejo do Cruz, também com 2.2.

Motivos para registro de terremotos na Paraíba

André Tavares, engenheiro do LabSis, explicou que falhas geológicas e pressões na placa tectônica do continente são os principais motivos de ocorrência dos tremores.

“Normalmente, [eles acontecem] por falhas geológicas presentes no interior do continente, no interior da placa tectônica Sul-Americana. As pressões nas bordas da placa tectônica, assim como outros fenômenos geológicos e até antropogênicos, criam essas falhas (que são como rachaduras no subsolo)”, explicou André Tavares.

Sobre a possibilidade de desastres com mortes e danos a prédios, André relatou que tudo depende da intensidade dos terremotos e da proximidade do epicentro aos centros urbanos.

Como exemplo, ele relacionou terremotos submarinos, que acontecem e não são sentidos na superfície, e um terremoto que ocorreu no Rio Grande do Norte em 1986, que terminou com a destruição da cidade de João Câmara.

“No Nordeste, em geral, acima de 1.5 de magnitude a população sente os terremotos. Estamos na região sísmica mais ativa do Brasil no momento. [Mas, destruição] depende da proximidade entre o epicentro do terremoto aos centros urbanos e à magnitude. Entre a África e a América do Sul há uma cadeia de montanhas submarinas, a Dorsal Meso Oceânica. Lá, ocorrem terremotos de magnitude acima de 5 e ninguém nem sente, por estar no fundo do mar e longe de centros urbanos. Já o terremoto de João Câmara, em 1986, de magnitude máxima de 5.1 destruiu a cidade”, contou André Tavares

Estudo prevê terremotos mais fortes no Nordeste

Terremotos de magnitude 6,2 graus podem começar a afetar a Paraíba e outros estados do Nordeste. A probabilidade foi divulgada pela Rede Sismográfica Brasileira (RSBR) a partir de um estudo do Catálogo Sísmico Brasileiro (SISBRA).

 O estudo considera a região Nordeste um local estável no quesito de abalos sísmicos. No entanto, nos próximos 50 anos, a região tem chance de registrar terremotos com potencial de destruição.

“Nossa análise mostrou que no Nordeste, em 50 anos, terremotos de magnitudes de 4,7 a 5,1 têm probabilidades de ocorrência de 50% (relevante para estruturas civis, como casas e prédios), e de magnitudes 5,5 a 6,2 têm probabilidades de 10% (relevante para obras civis de grandes dimensões, como barragens, parques eólicos, mineração, usinas hidrelétricas e nucleares)”, destacaram os autores do estudo

O estudo também pede que as autoridades acordem para a importância de ações preventivas. A pesquisa foi conduzida pelos pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), José Augusto Silva da Fonsêca e Aderson Farias do Nascimento (professor coordenador do LABSIS, que integra a RSBR), e do professor do Institute of Geophysics Polish Academy of Sciences, Stanisław Lasocki.

O estudo completo pode ser lido clicando aqui.

Confira abaixo a relação completa de cidades com mais tremores desde 2020:

  • Patos – 6
  • Juazeirinho – 5
  • Campina Grande – 4
  • Picuí – 3
  • Belém do Brejo do Cruz – 2
  • Catolé do Rocha – 2
  • Esperança – 2
  • Gurinhém – 2
  • Pitimbu – 2
  • Pocinhos -2
  • Santa Luzia – 2
  • Alcantil – 1
  • Arara – 1
  • Barra de Santa Rosa – 1
  • Brejo do Cruz – 1
  • Caldas Brandão – 1
  • Itapororoca – 1
  • Juru – 1
  • Mamanguape – 1
  • Olho D’Água – 1
  • Pedras de Fogo – 1
  • Puxinanã – 1
  • Queimadas – 1
  • Serra Branca – 1
  • Sousa – 1
  • Taperoá – 1

Confira abaixo a relação de cidades e magnitude dos tremores:

  • Brejo do Cruz – 27 de janeiro de 2024, magnitude 2.0
  • Mamanguape – 1 de abril de 2023, magnitude 1.7
  • Juazeirinho – 17 de fevereiro de 2023, magnitude 1.6
  • Santa Luzia – 2 de fevereiro de 2023, magnitude 1.5
  • Alcantil – 23 de setembro de 2022, magnitude 1.8
  • Queimadas – 3 de setembro de 2022, magnitude 1.7
  • Belém do Brejo do Cruz – 29 de agosto de 2022, magnitude 1.8
  • Belém do Brejo do Cruz – 24 de agosto de 2022, magnitude 2.2
  • Taperoá – 3 de agosto de 2022, magnitude 1.6
  • Juazeirinho – 19 de julho de 2022, magnitude 1.5
  • Serra Branca – 7 de julho de 2022, magnitude 1.5
  • Campina Grande – 28 de junho de 2022, magnitude 1.5
  • Picuí – 18 de junho de 2022, magnitude 1.5
  • Arara – 13 de junho de 2022, magnitude 1.5
  • Catolé do Rocha – 3 de junho de 2022, magnitude 1.5
  • Puxinanã – 5 de abril de 2022, magnitude 1.5
  • Pocinhos – 3 de abril de 2022, magnitude 1.5
  • Patos – 1º de abril de 2022, magnitude 1.6 e 1.5
  • Gurinhém – 21 de março de 2022, magnitude 1.7
  • Santa Luzia – 18 de março de 2022, magnitude 1.5
  • Campina Grande – 26 de novembro de 2021, magnitude 1.6
  • Juru – 23 de novembro de 2021, magnitude 1.6
  • Juazeirinho – 1º de novembro de 2021, magnitude 1.8
  • Campina Grande – 25 de outubro de 2021, magnitude 1.6
  • Patos – 2 de outubro de 2021, magnitude 1.5
  • Catolé – 30 de setembro de 2021, magnitude 1.8
  • Esperança – 24 de setembro de 2021, magnitude 1.8 e 1.6
  • Itapororoca – 18 de setembro de 2021, magnitude 1.9
  • Picuí – 6 de setembro de 2021, magnitude 1.6
  • Olho D’Água – 10 de junho de 2021, magnitude1.9
  • Juazeirinho – 4 de maio de 2021, magnitude 1.4
  • Pitimbu – 28 de abril de 2021, magnitude 1.6
  • Pitimbu – 19 de abril de 2021, magnitude 1.5
  • Patos – 10 de abril de 2021, magnitude 2.0 e 2.2
  • Pocinhos – 10 de abril de 2021, magnitude 1.5
  • Campina Grande – 5 de abril de 2021, magnitude 1.5
  • Caldas Brandão (Cajá) – 8 de março de 2021, magnitude 1.8
  • Pedras de Fogo – 2 de março de 2021, magnitude 1.8
  • Sousa – 14 de janeiro de 2021, magnitude 1.5
  • Gurinhém – 18 de dezembro de 2020, magnitude 1.5
  • Barra de Santa Rosa – 2 de dezembro de 2020, magnitude 1.5
  • Picuí – 18 de novembro de 2020, magnitude 1.5
  • Patos – 11 de novembro de 2020, magnitude 1.8
  • Juazeirinho – 10 de novembro de 2020, magnitude 1.5

Envie sua matéria para o e-mail da redação: [email protected]

Já curtiu? Siga o PORTAL REPERCUTEPB no FacebookTwitter e no Instagram

Acompanhe o nosso Grupo NOTÍCIAS DO REPERCUTEPB no  TELEGRAM  ou WHATSAPP

Imagem abaixo mostra registros de terremotos no Nordeste em maio:

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Sem foto
Sobre o município
Notícias de Patos - PB
Ver notícias
Cabedelo, PB
27°
Tempo nublado

Mín. 24° Máx. 27°

29° Sensação
4.17km/h Vento
75% Umidade
100% (9.71mm) Chance de chuva
05h30 Nascer do sol
05h13 Pôr do sol
Qua 27° 24°
Qui 27° 24°
Sex 27° 23°
Sáb 27° 22°
Dom 26° 22°
Atualizado às 09h01
Publicidade
Economia
Dólar
R$ 5,43 +0,77%
Euro
R$ 5,82 +0,47%
Peso Argentino
R$ 0,01 +1,25%
Bitcoin
R$ 351,784,60 +2,25%
Ibovespa
122,426,79 pts -0.17%
Publicidade
Lenium - Criar site de notícias