Terça, 24 de Maio de 2022
28°

Pancada de chuva

Cabedelo - PB

Brasil GRUPO ABRA

Fusão da Gol e Avianca: veja como vai ficar

Entenda um pouco mais sobre o negócio

13/05/2022 às 19h36
Por: Redação RepercutePB
Compartilhe:
Fusão da Gol e Avianca: veja como vai ficar

A decisão dos acionistas das companhias aéreas Gol e Avianca de criar o Grupo Abra para unificar o controle das duas empresas deixou uma série de perguntas ainda sem resposta, mas especialistas dizem que a união deve ser benéfica para as empresas, que ganham tamanho e poder de barganha na negociação de contratos de manutenção e leasing, por exemplo.

Para o consumidor final, o negócio pode baratear o preço de alguns trechos, mas no longo prazo a tendência pode ser de alta nas passagens.

Entenda um pouco mais sobre o negócio

Gol e Avianca serão uma única empresa?

Não, ao menos por enquanto. Segundo o anúncio feito por Avianca e Gol na quarta-feira, o Grupo Abra passará a controlar as duas empresas, mas os negócios continuarão separados e os atuais executivos das linhas aéreas seguem no comando das companhias.

O Abra será uma holding, uma sociedade sediada no País de Gales, no Reino Unido, e que terá como sócios a família Constantino, sócia majoritária da Gol, e os controladores da Avianca, entre os quais estão Roberto Kriete, a aérea americana United e os fundos Kingsland e Elliott, presidido por Paul Singer e que era o maior credor da Avianca Brasil.

A Avianca que se une à Gol é a Avianca Brasil que faliu?

Não, são empresas distintas, embora ambas já tenham tido como acionistas majoritários e controladores os irmãos Germán e José Efromovich. A Avianca Brasil, cujos donos eram os Efromovich, foi à ruína em 2019 por não pagar o leasing de aeronaves e ter seus aviões tomados pelos arrendadores na Justiça.

 A empresa teve a falência oficialmente decretada em jullho de 2020 e tinha um passivo superior a R$ 2 bilhões.

A Avianca que participa da fusão é a empresa aérea de origem colombiana, que tem 102 anos de existência e que atualmente tem sede no Reino Unido. A aérea tem historicamente mais da metade do mercado aéreo colombiano e também faz voos domésticos no Equador.

Também é a uma das companhias aéreas mais importantes da América Central, com operações relevantes em El Salvador.

Os irmãos Efromovich deixaram o controle da Avianca colombiana em maio de 2019, quando deixaram de pagar um empréstimo de US$ 456 milhões contraído com a aérea americana United e cuja garantia era o direito de voto das ações ordinárias da Avianca.

À época, a United executou a dívida e tirou o poder dos Efromovich na empresa. A United, então, passou o direito de voto dos papéis ao Kingsland. A Avianca colombiana também passou por dificuldades, mas já na pandemia.

Já curtiu? Siga o PORTAL REPERCUTEPB no FacebookTwitter e no Instagram

Acompanhe o nosso Grupo NOTÍCIAS DO REPERCUTEPB no  TELEGRAM  ou WHATSAPP

 

(Veja as regras no grupo)

 

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias